terça-feira, 14 de julho de 2015

Kalatozov

E de repente Mikhail Kalatozov tornou-se num dos meus cineastas preferidos. Pelo menos um dos cineastas russos preferidos. Isto porque depois de ter visto duas obras-primas - "Quando Passam as Cegonhas" (1957) e "Soy Cuba" (1964) vi o filme de permeio "Letter Never Sent" (1960). O estilo de realização de Kalatozov é único na forma como cria movimentos de câmara, ângulos e planos. A fotografia a preto e branco é sempre soberba e de uma intensidade tocante.

A história de "Letter Never Sent" que vi ontem resume-se a quatro exploradores geólogos (3 homens e uma mulher) que se aventuram na Sibéria à procura de diamantes. E o filme resulta numa apaixonante e tempestuosa relação entre os homens e as forças hostis da natureza, numa aventura de sobrevivência que vai ao limite da resistência humana. Kalatozov é prodigioso na forma como filma longos planos sequência no meio da natureza mais agreste, num trabalho de fotografia deveras deslumbrante. Veja-se esta magnífica sequência inicial do filme.
Um filme espantoso, portanto.

Trailer:

Sem comentários: