sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Matar a cultura

Lê-se e não se acredita (no Diário de Notícias): depois da Cinemateca Nacional ter comunicado que já não tinha dinheiro para as legendagens electrónicas, agora informa que, face a "condicionalismos administrativos e financeiros", já não tem condições para a impressão do seu programa (o veículo mais importante de divulgar a sua actividade).
Todas as decisões - ou grande parte delas - de despesas de uma instituição como a Cinemateca, têm de ter a autorização do Ministro das Finanças, Vítor Gaspar. E como é conhecida a obsessiva e cega visão economicista deste ministro, corta-se em tudo o que é possível e mais banal, prejudicando gravemente o funcionamento normal de uma instituição nacional como a Cinemateca.
E este é apenas um exemplo, no meio de muitos outros: é impressionante constatar a forma desprezível como o Governo português trata a cultura e como a visão da mesma provoca a destruição de toda uma memória cultural (material e imaterial) que levou décadas a construir em Portugal. 
Julgo que os governantes deste país não ficarão parados até verem todas as instituições culturais em completo e vil abandono (para poupar dinheiro, claro). Trata-se já de consumar um objectivo político: matar a cultura.
Ler a notícia aqui.

1 comentário:

Anónimo disse...

Peradvеnture thіs is part сredіtwoгthy for the expenѕive whole, it's a TENS annoyance backup man- a device that'ѕ desіgned
to bug the toгso's pain in the neck signals received by the encephalon to alteration how it perceives the sense experience. Lastly, many users bask the reposeful massage that it provides, and how does it act?
Also visit my webpage http://aurawavereview.com/