sábado, 3 de agosto de 2013

"Cargo" - Exemplar curta-metragem


É uma das melhores curtas-metragens que vi recentemente. E é a prova de que a qualidade de um filme não se mede pela sua duração. Estes 7 minutos de cinema são bem melhores do que muitas longas-metragens de duas horas (há um comentário no Youtube que diz que estes 7 minutos são melhores do que a segunda e terceira temporada da série "Walking Dead". E eu estou tentado a concordar). E prova outra coisa: que ter uma ideia criativa (leia-se: argumento) é uma condição suficiente para desenvolver um filme com alma e arrojo. 
Falo de "Cargo", curta que tem dado muito que falar e que já conta com mais de 3 milhões de visualizações no Youtube e foi finalista este ano do maior festival do mundo de curtas-metragens, o australiano Tropfest.
Basicamente, o triunfo desta curta é a forma original como aborda o universo dos zombies, tema tão banal e explorado nos últimos tempos. O filme retrata o início de um apocalipse zombie quando, após um acidente de carro, um homem encontra a mulher zombie, enquanto a sua filha bebé ainda está viva. O problema é que ele também foi mordido e tem que correr contra o tempo para que ele mesmo não seja uma ameaça para a própria filha. Não é um filme de terror, nem um thriller, não tem violência gráfica, é antes um filme com um pendor poético e emocional sobre o amor de um pai por uma filha. Um filme sobre o instinto de sobrevivência e de defesa pelos que mais amamos. 
Realizado pelos jovens Ben Howling (também realizador de videoclips) e por Yolanda Ramke (actriz que faz de zombie), "Cargo" é uma obra que se desenrola sem diálogos, apenas a narrativa visual se impõe como motor da história. Sim, porque em apenas 7 minutos de filme há uma história com princípio, meio e fim. E é uma história bem filmada e interpretações (sobretudo do pai) deveras convincentes.
Agora falta esperar por uma longa-metragem de Ben Howling para confirmar este talento emergente do cinema.
------------
Site do realizador.
Filme completo:

1 comentário:

Marcelo C,M disse...

Muitas vezes curtas metragens acabam sendo muito mais criativos que os propios longas metragens.