quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

75 anos de Woody Allen


Woody Allen comemora hoje 75 anos de vida, numa altura em que finalizou o seu 40º filme da carreira ("You Will Meet a Tall Dark Stranger") e já deitou mãos à sua próxima película ("Midnight in Paris").
Dos grandes mestres do cinema, Allen é um dos meus cineastas favoritos, juntamente com Tati, Kubrick, Tarkovski, Murnau e uns quantos mais. Basta constatar que a categoria "Woody Allen" deste blogue tem 8o entradas.
Na sua diversificada filmografia contam-se filmes menores (e "menores" significa melhores do que os "melhores" de outros realizadores) e uma série de obras-primas: "Annie Hall" (1977), "Manhattan" (1979), "Crimes e Escapadelas" (1989), "Ana e as Suas Irmãs" (1986), "Match Point" (2005), "A Rosa Púrpura do Cairo" (1985), "Zelig" (1983) ou "Dias da Rádio" (1987).
Um cineasta que explorou, como (quase) ninguém os domínios do desejo, do amor, da morte, da religião, das relações humanas, da psicanálise, da filosofia, dos valores morais, da fidelidade, da traição, da angústia existencial, etc. Um cineasta que deve tanto a Groucho Marx quanto a Ingmar Bergman. Um cineasta que soube tão bem fazer comédia "non sense" sobre temas sérios como filmes dramáticos com uma intensidade psicológica bergmaniana.
Para além disso, como em Martin Scorsese, Woody Allen é um cinéfilo esclarecido, com um gosto estético extremamente aguçado. Basta ver os seus filmes preferidos da História do Cinema.
Em suma: parabéns Woody Allen pelos 75 anos de vida e de muitos filmes. Que continue a fazer bom cinema até à idade do Manoel de Oliveira!

12 comentários:

Um nome usual disse...

epah, tu és um andarilho de banalidades. estás bem sabes como? com os dedos quietinhos.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

epah, tu deves ser o anónimo que, volta e meia, aparece aqui a dizer que só escrevo "banalidades" e afins. Imagino que a tua prosa seja muitíssimo mais rebuscada e erudita que a minha. Parabéns por isso, portanto.

Agora vai lá ler os blogs que não escrevem "andarilhos de banalidades" e deixa-me em paz.

PGA disse...

Apoiado Victor!! Mas não te incomodes com estas pessoas que vivem apenas para criticar por criticar... São pessoas mesquinhas e invejosas! Não merecem sequer que percas tempo com elas. Continua a escrever como até à data que o tens feito MUITÍSSIMO BEM.

Alexander Sweden disse...

Acho que há que encarar estas intervenções com um sorriso nos lábios, a mim partem-me todo. Simples faits divers...

Um nome usual em vias de disse...

epah, mais uma tentativa de ser engraçadito, portanto? tu, pah, victor, és um banal armado em culto com as gigas de 'culturalidade' que a abençoada internet te dá, ou que roubas, portanto. a tua prosa é um nojo. não dá nem para as w.c. de um jornaleco regional. isto para não falar da redundância, assuntos tão menores e curiosidade dignas das revistas superinteressantes deste mundo que satura este espaço que nem devia ter nascido. eu nem sei o que é isto. não vejo uma pessoa, não vejo um autómato, só vejo vento, descompromisso, quase capricho.

Ainda o nome usual disse...

e nem vou falar daquele horripilante header... está tão infantil, o que diz muito da tua personalidade, que apetece chorar. este espaço nasceu anestesiado por um dono que quando o fez já estava a dormir há muito.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Como é fácil dizer inanidades e aleivosias por trás da capa cobarde do anonimato, não é? É sempre o mesmo ritual: os comentários difamatórios e ofensivos são sempre de anónimos. Porque será?

Teria mais respeito por ti e pela tua argumentação se:
1)Tivesses uma identidade e uma cara;
2)Se expressasses a tua opinião sem recorrer a um discurso de sobranceria arrogante e estúpida e sem seres mal-educado.

No entanto, deixa-me só dizer isto: espanta-me que estejas tão preocupado com tamanha “prosa de nojo”. Porque não passas à frente? A minha última afirmação do comentário anterior não é irónica: se te incomoda este blog e o seu conteúdo, desanda para outros que possuam os critérios de cultura e de inteligência com os quais te deves identificar. Porque os teus argumentos acabam por se virar contra ti próprio.

Agora uma coisa é certa: digas o que disseres e como o disseres, não és tu – nem outros como tu – que me demove de escrever como quero e sobre o que quero - já o faço há três anos e vou continuar, apesar de te sentires tão "incomodado". Era só que faltava! Quem não gostar, que se mude. E acho piada quando afirmas que “este espaço nem devia ter nascido”. Quem és tu, ó superior sumidade, ó divindade na Terra, para interferires com a minha liberdade de criar um espaço como este? Podes ter a tua opinião de não gostares do que escrevo e do conteúdo do blog, mas jamais admitiria que interferisses com essas mesmas opções. São assumidas por mim e ponto final.

Mas confesso que já esperava isto. Em três anos d’O Homem Que Sabia Demasiado, foram centenas os leitores que manifestaram apreço, apoio e gosto por este blog. Centenas (na tua interpretação, certamente serão centenas de leitores patetas). Era mais do que óbvio para mim que um dia, mais cedo ou mais tarde, aparecesse alguém a querer espezinhar o que faço com argumentos arrogantes e acusatórios de que sou um “reles e superficial intelectual”.

Reitero a ideia que teria todo o gosto em discutir contigo sobre o conteúdo do blog ou sobre o que escrevo de forma cordial e honesta. Mas com esse discurso arrogante e viperino, passo e ando.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Um nome usual disse...

olha, estes comentários teus foram melhores que 90 % do blog. vês como picar ACORDA? este blog é pop, é populista, é aforismático sem conteúdo ou se tem é irrelevante. não desperta nada, não faz pensar, não informa de nada que o comum não possa ver no rodapé de um jornal qualquer, podia existir numa praceta mediocre qualquer das TV's que tão bem também olhas com sobranceria, por certo. é as capas, é as listas, é as felicitações comemorações à twitter, é os discursos históricos redigidos como as composições da quarta classe, é enfim, uma joint-venture espiritual que não interessa a quem tenha mais de 16 anos. este blog é como passar de carro por um parque com árvores, e depois de o passar, olhar pelo espelho retrovisor e ver árvores. não há pessoa, não há autómato também: há vento de gigas de informação. é o que este blog é, um composto de rótulos que fazem a geologia da informação, ainda por cima, não contemporânea. creio que as pessoas que te visitam, ou andam enganadas pelas listas que tens no perfil, mais um sintoma do simples capricho que te conduz neste árduo exercicio intelectual (...) de 3 anos ou são aqueles que veem as Tv's e afins. definitivo.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Faz-me um favor: pela tua sanidade mental, pega nas tuas metáforas saloias e desanda deste repugnante blog.

Não tenho idade nem paciência para continuar a ler recados pseudo-professorais, como se me ensinasses o que quer que fosse.

Para mim, és assunto encerrado.

Agora podes continuar a retorquir com esse ar falsamente pedagógico que eu já não respondo mais.

Como o Alexandre disse, és um mero "fait-divers"...

PGA disse...

Victor, não ligues a provocações de "baixo nível".
A inveja anda à solta!!!
Faz como o Alexander Sweden, encara isso com um sorriso nos lábios.

"está tão infantil, o que diz muito da tua personalidade, que apetece chorar." Modere a sua língua viperina, Sr. Não Sei Quantos, como ousa afirmação tão tão arrogante sem conhecer pessoalmente a pessoa em causa???

Infantil??? Quem???

PGA disse...

Sr. Não Sei Quantos, antes de fazer tantas críticas, não lhe ficava nada mal conjugar verbos adequadamente e informar-se de que, de há uns largos anos a esta parte 4ª Classe passou a ser 4º Ano.
Agora há o 1º CEB, 2º CEB e 3º CEB.