quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Os erros no cinema não interessam


Para o cinéfilo comum o site MovieMistakes.Com não é novidade.
Trata-se de um sítio onde se compilam, meio a brincar, meio a sério, os erros (“goofs”, “bloopers”) que os filmes contêm. Ou seja: erros de continuidade, de montagem, de realização, de efeitos visuais defeituosos, anacronismos históricos, de intromissões visuais inesperadas, interpretações disparatadas, etc.
Pessoalmente, é matéria "fait-divers" que não me interessa muito porque não tenho tendência "voyeurista" que me leve a dissecar um filme ao pormenor. Mas a verdade é que, sendo um site construído com a colaboração dos próprios espectadores, há quem consiga descortinar os erros mais indecifráveis e ocultos que passam despercebidos a 99% dos espectadores (e só possíveis de detectar com o inevitável recurso do DVD e muitas horas de visionamento obsessivo e repetido).
Há muito tempo que não consultava o site. E fiquei algo boquiaberto ao constatar que o filme com mais “mistakes" é um dos meus filmes preferidos: “Apocalypse Now”, com referência a 391 erros detectados (!).
Por seu lado, outro filme meu preferido, "The Shining" do Kubrick tem 299 erros referenciados. E na lista dos filmes estreados em 2010, surge em primeiro lugar "Shutter Island" de Scorsese com 33 erros. Custa a acreditar que obras-primas deste calibre, que realizadores e técnicos tão experientes, sejam capazes de deixar passar erros cinematográficos. O facto é que no afã do visionamento de um determinado filme, raramente o espectador comum tem percepção de erros visuais - sejam ínfimos ou mesmo óbvios.
De qualquer modo, estou em crer que o MovieMistakes.Com não passa de um site de curiosidades divertidas (talvez interesse apenas aos profissionais do ramo cinematográfico), e que nem com 1000 erros detectados certos filmes perderiam o carisma e a qualidade (refiro-me a "Apocalypse Now").
Mais: como espectador, prefiro até viver na ignorância sobre eventuais erros de quaisquer filmes (de forma a preservar o meu imaginário cinéfilo intacto) do que saber se, por exemplo, num filme do Lynch existe um qualquer erro patético de continuidade (como nas imagens que ilustram este post).

2 comentários:

Ricardo Martins disse...

Não chamaria isso de erros. É mais bloopers, como dizem os americanos, ou então falhas de continuidade.

Nem com 1000 erros Apocalypse Now deixa de ser um dos melhores filmes de sempre.

ArmPauloFer disse...

Não sigo com atenção estes erros mas realmente às vezes é melhor nem saber deles. Não menorizam os filmes mas acresce-lhes piada descobrir estas desatenções.
No Gladiador do Scott, salvo erro, há uma cena onde se nota um extintor numa das carroças da arena... Nos filmes de épocas antigas até dá piada pelo paradoxo.