quarta-feira, 30 de maio de 2012

Pattinson & Cronenberg

Tento compreender mas não consigo. Qual é a razão, afinal, do histerismo feminino à volta do actor Robert Pattinson? É um actor assim tão extraordinário? Tem uma beleza e um carisma tão insuperáveis? Não me parece. O que demonstrou na saga "Twilight" é que não passa de um actor mediano cujo papel principal poderia ser interpretado por dezenas de outros actores da sua geração. Mas pronto, caiu no gosto das adolescentes que o elevaram a um ícone actual. A tal ponto que hoje, para o verem de perto, muitas dezenas de raparigas esperaram (durante horas) o actor à entrada do Centro Cultural de Belém (algumas vieram até de Espanha) para a estreia do filme "Cosmopolis" de David Cronenberg.
Claro que 90% das adolescente não farão a mais pequena ideia quem é Cronenberg e que tipo de cinema faz (e fez). Também é matéria que não interessa. O que interessa a estas jovens fanáticas é ver o seu ídolo num filme. Seja em que filme for. 
Posto isto, duas coisas me assaltam o espírito:
1) Duvido que as adolescentes venham a gostar da estética bizarra e ousada de "Cosmopolis"; 
2) Duvido que David Cronenberg aprecie esta idolatria à volta de um actor de um filme seu.

9 comentários:

JC disse...

Meu caro,

Sigo com alguma atenção o seu blogue pelos seus excelentes conteúdos e muito principalmente pela forma como os filmes e músicas aqui presentes se encaixam na quase perfeição no meu gosto pessoal. É também por isto que me atrevo a fazer um reparo.

Este post parece revelar alguma ingenuidade e quer pôr o cronenberg num lugar onde não me parece que ele esteja. Isto apesar dos grandes filmes que nos tem deixado. As duas coisas que lhe assaltam o espírito são desprovidas de sentido. Primeiro porque cronenberg sabia perfeitamente quem estava a contratar e a popularidade que tinha (resta saber se foi ele ou se foi imposição da máquina produtora, mas qualquer uma destas opções não abona a seu favor.). Depois porque sabia perfeitamente que estava a contratar um actor mediano a dar para o fraco, isto sim algo de inquietador. além disso, o facto de as adolescentes gostarem ou não é irrelevante porque elas irão ver o filme de qualquer das maneiras e deixar as suas divisas no merchandising. Resta-nos a esperança que sirva para abrir algumas mentes e fazê-las ver mais do que aquilo a que estão habituadas. Tal como me aconteceu quando vi o Lost Highway e percebi que existia muito mais no cinema do que aquilo que eu poderia supor.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Caro JC,

O seu reparo é muito bem-vindo. Não tenho problema nenhum em que os leitores tenham opiniões divergentes das minhas (desde que os argumentos apresentados sejam válido e não haja pelo meio falta de educação para com o autor do blogue). Por isso a caixa de comentários não tem moderação: para que os leitores possam exercer livremente e de forma responsável, o seu direito ao contraditório.
Voltando ao ponto inicial: eu penso que o Cronenberg quis dar um golpe de asa ao contratar o actor em causa, porque sabe que a sua enorme popularidade pode, comercialmente falando, dar um forte impulso de visibilidade ao seu cinema. Mas conhecendo o percurso do realizador desde o início da sua carreira, não deixa de causar estranheza esta opção e reitero a ideia que, apesar de legítima esta escolha, possa causa um certo desconforto ao cineasta por esta cedência na contratação de uma celebridade de Hollywood mais comercial. Claro que as adolescentes não interpretam as coisas da mesma maneira, e estão a borrifar-se para quem é o realizador, em que livro é inspirado ou que tipo de temática é explorada em termos de argumento. Porque o que interessa é mesmo “ver” o Pattinson ao vivo e no grande ecrã, quase como numa reacção “pavloviana” do fenómeno cinematográfico mais básico.

JC disse...

O ponto inicial que referiu agora no comentário é precisamente o que me parece essencial neste tema (a que se calhar estamos a dar mais importância do que ele merece). E passou despercebido no post daí o meu reparo. Desde que o Pattinson não seja um canastrão de primeira neste filme e o Cronenberg não o ponha com brilho eu vou fingir que não sei de nada. Aliás eu nem sabia que o rapaz se chamava robert pattinson e muito menos que iria estar num filme do cronenberg. Razão pela qual deito mais uma farpa, esta a estilo de brincadeira: ficaria mais feliz se tivesse permanecido na ignorância pelo que agradeço que não veicule mais este tipo de informações.

Rato disse...

Pelo que tenho lido, o tal actor encontra-se transfigurado (para melhor, claro) neste filme, o que só abona o Cronenberg, que, segundo se fala, vai voltar a filmar com ele.
Na história do cinema abundam exemplos de actores toscos (e actrizes também) que realizadores competentes moldaram a seu bel-prazer, transformando-os radicalmente. Apenas dois exemplos (um para cada sexo): Helmut Berger nas mãos do Visconti ou a Grace Kelly nas de Hitchcock.
Um dia destes ainda faço um post sobre o asunto, tem o seu interesse.

ana disse...

Bem, eu já não sou adolescente e talvez por isso não ligo nadinha a esse "actor" mas compreendo a estratégia do Cronenberg. Hoje em dia, com a crise em todo o lado, qualquer motivo que faça arrastar multidões á sala de cinema é valido. Achei interessante terem vindo a Portugal porque afinal de contas, não é todo o dia que temos estrelas de hollywood aqui.

joao amorim disse...

acho que a crítica em relação a este actor é excessiva. obviamente que na saga twilight ele foi um mau actor. como não poderia ser num filme tão desprovido de conteúdo?

acima de tudo acho surpreendente que pattinson tenha aceitado trabalhar com cronenberg. logo à partida porque não acredito que um filme produzido pelo paulo branco consiga competir com enúmeras produtoras de hollywood, o que me leva logo a acreditar que pattinson sabe o que é cinema e que tem boas referências.

se por querer ganhar credibilidade se por querer atingir feitos válidos artisticamente, já é mais complicado dizer.

.Carmen disse...

Concordo... tanto que fiz um post acerca. Perguntem àquelas meninas se gostaram do filme no CCB, ao que elas, muito provavelmente, responderão: "Que filme?" ... Este assunto atiça a minha veia crítica, não me vou alargar.

Filipe F.Coutinho disse...

O Pattinson é um actor que, como quase qualquer outro nos dias que correm, começa por baixo. O seu papel no Twilight pode ser feito por qualquer um porque é uma personagem um tanto ou quanto básico. Pattinson acabou por beneficiar disso mesmo. mas parece-me injusto dizer que é mediano nesta fase... A verdade é que ele mostrou ser capaz de muito mais com o Water for Elephants e a sua prestação no Cosmopolis (que ainda não vi) é, aparentemente, merecedora de ser vista. Dito isto, creio que antes de fazer julgamentos a um actor tão jovem, dever-se-á esperar para observar a sua evolução. Pessoalmente, acredito que tem muito mais para dar e tento alhear-me do fenómeno de popularidade que se tornou.

Miguel Marques disse...

Não gostei assim tanto deste Cosmopolis. Parece-me muito pouco Cronenberg, mas enfim, são opiniões.

Faço a critica ao filme em

http://www.cemiteriodoslivrosperdidos.blogspot.pt/