sábado, 26 de junho de 2010

John Williams

Não é dos meus compositores para cinema favoritos, mas é indiscutivelmente, um dos maiores: John Williams. Recebeu o incrível número de 6 Óscares ao longo da sua brilhante carreira, entre os quais, as memoráveis bandas sonoras de "Tubarão", "E.T.", "Star Wars" ou "A Lista de Schindler". Todos realizados por Steven Spielberg, pois claro (corrijo: "Star Wars" foi realizado por George Lucas).
Por vezes, creio que John Williams se enreda demasiado por um clacissismo académico que tende a explorar fórmulas orquestrais repetitivas, sem grandes explosões de criatividade e de abertura estética (ao contrário de um Howard Shore, um Tyler Bates ou de um Danny Elfman). Porém, é bem verdade que algumas das mais impactantes bandas sonoras feitas, desde os anos 70 aos nossos dias, foram compostas por Williams. E como se prepara e trabalha este compositor para compor a música dos filmes? Tomemos como exemplo a música do filme "O Resgate do Soldado Ryan" (1998) de Steven Spielberg.
No vídeo a seguir, John Williams explica como abordou o trabalho de relacionar a música com o dramatismo das imagens (legendas em espanhol).

7 comentários:

Flávio Gonçalves disse...

Muito interessante. Gosto de John Williams, embora, lá está, é como dizes: "creio que John Williams se enreda demasiado por um clacissismo académico que tende a explorar fórmulas orquestrais repetitivas, sem grandes explosões de criatividade e de abertura estética".
Gostava de saber a tua opinião sobre Dario Marianelli. O classicismo nota-se lá, mas penso que, por exemplo no Atonement, conseguiu inovar e fazer uma composição sublime.
Abraço ;)

Anónimo disse...

Eu discordo totalmente, John Williams é um dos compositores mais brilhantes em termos de criatividade, a sua marca de registo no uso de materiais de sopro mais propriamente a trompeta dão vida às cenas dos filmes, e além disso a maioria dos "Hinos" cinematográficos são da autoria dele, não acho que ele seja agarrado ao classicismo no último Harry Potter que ele fez vimos um John Williams muito mais dark acompanhando o filme em si, e estes perderam muito com a saída de John Williams.

Jackie Brown disse...

Como é possível não se gostar de John Williams? Também eu o considero um dos melhores e mais geniais compositores da actalidade e o meu favorito pessoal.

Alexander Sweden disse...

Por falarmos nos melhores penso que o Clint Mansell mereceria aqui uma referência (Requiem for a Dream, The Fountain, Moon, etc.) assim como o Thomas Newman (The Shawshank Redemption, American Beauty, Road to Perdition, etc.).

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Ainda bem que há opiniões distintas. ;)

Não sou grande conhecedor do Marianelli, mas gosto muito do Clint Mansell, do qual já escrevi aqui várias vezes.

Ricardo Martins disse...

John Williams é dos poucos mestres que ainda existem. A música dele é capaz de mover montanhas.

DiogoF. disse...

Adoro John Williams, está caro.

Outro de que gosto particularmente é o Nino Rota.