quarta-feira, 2 de março de 2011

Macy é Edmond


O que poderia acontecer se uma cartomante nos dissesse: "Você não pertence a esta vida." O protagonista do filme "Edmond" (2005), um vulgar homem de negócios com uma vida pouco estimulante e monótona, de seu nome Edmond, dá uma resposta possível: perturbado com a sentença, chega a casa, diz à mulher que vai sair para não mais voltar. E assim faz. Começa a deambular pelas ruas de Nova Iorque, cheias de tentações e perigos ao virar da esquina.
Edmond empreende uma viagem existencial à procura de um sentido de libertação espiritual, à procura de sensações de energia e adrenalina que o façam sentir... vivo.
Sexo, crime, violência, desespero, descontrolo emocional - um calvário terreno até à expiação dos pecados finais. Ecoam por esta película uma simbiose de laivos de "Fight Club" ou de "Eyes Wide Shut". É como se Edmond se culpasse por viver uma vida vazia, absorta, ausente.
Edmond é interpretado pelo excelente actor William H. Macy. Aliás, todo o filme é suportado pela performance de Macy.
"Edmond" passou completamente ao lado do panorama cinematográfico de Portugal (nem teve estreia nacional), mas vale a pena conhecê-lo. Fez furor quando, no ano de estreia, passou pelo festival de Sundance.
O realizador Stuart Gordon - conhecido sobretudo pelo singular filme de terror gore "Re-Animator" (1985) -, faz par com o notável argumentista e realizador David Mamet. Mamet sabe contar uma história como ninguém - uma história quase sempre com contornos que desafiam a lógica narrativa habitual, com elementos assaz surrealistas e muito bem engendrados. Nota-se a cada passo que a escrita é de Mamet, nos diálogos truculentos, nas situações narrativas criadas, na sátira social, nas personagens no limite do abismo.
Veja-se este diálogo:
Glenna: You know who I hate?
Edmond: No, who is that?
Glenna: Faggots.
Edmond: Yes, I hate them too. Do you know why?
Glenna: Why?
Edmond: They suck cock. And that's the truest thing you will ever hear.

8 comentários:

Cerveja com truco disse...

Passei por aqui procurando algo sobre Annie Girardot...
Nada ainda...
Volto depois.
= )

Rato disse...

Gostei imenso deste "Edmond" também - uma das idas ao videoclube que valeu mesmo a pena.

O Rato Cinéfilo

ArmPauloFer disse...

Já vi esse algumas vezes nos canais TVCine e é um filme impressionante e muito sobrevalorizado pois mereceria ter tido mais destaque.
Gostei da personagem da Julia Stiles mas sem dúvida que a composição do William H. Macy é espectacular.
E tudo, durante uma noite de desatino com a vida e devido a ninguém lhe dar sexo barato... ele descarrila totalmente!
Gosto deste tipo de histórias e filmes, aparentemente simplórios mas com muito "sumo".

Rafael Fernandes disse...

Muito bom, vale a pena.. até porque nem se perde grande tempo que o filme é curtinho.

Anónimo disse...

meu caro,

não é este filme baseado numa peça de teatro de david mamet. pergunto-lhe porque há uns anos o teatro de s. joão no Porto levou à cena uma com o mesmo nome e daque autor com uma história semelhante.
saudações,
rui gonçalves

Anónimo disse...

sorry. vi que referenciou o mamet. na peça o edmond era feito pelo zó pedro gomes e a mulher era a ana bustorff. foi muito bom.
abraço,
rui

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Não sabia que a peça do Mamet tinha sido interpretada por esses actores. Obrigado pela informação.

gaspar disse...

Comprei-o há pouco tempo, fortissímo!!!!

Gostava de conhecer o último do Mamet, o Redbelt...