quinta-feira, 10 de março de 2011

Cronenberg na gasolineira


Há não muitos anos atrás (talvez 10 anos, quando o mercado do DVD surgiu em força como artigo de consumo popular), era preciso estar particularmente atento para conseguir comprar filmes de culto.
Em Portugal não havia edições nacionais de filmes de qualidade, de culto, clássicos ou de autor. Era preciso encomendar de sites estrangeiros especializados (Amazon, Criterion, dvdgo.com, entre outros). E quando se conseguia encontrar o "tal" filme, o preço nem sempre era especialmente convidativo (cheguei a comprar edições em DVD por 60€).
Agora tudo mudou. A massificação do DVD e a banalização editorial de filmes leva a que seja extremamente fácil, para qualquer cinéfilo, encontrar bons filmes a preços irrisórios e nos lugares mais improváveis (sim, a Fnac já foi chão que deu uvas).
Digo isto porque hoje, quando pagava o combustível numa gasolineira, deparei-me com uma pequena estante com filmes em DVD à venda. Quase que nem liguei à primeira, porque a experiência dizia-me que este tipo de estabelecimento comercial vendia filmes comerciais sem interesse nenhum.
Só ao segundo olhar me apercebi que estavam à venda, pelo ridículo preço de 1,99€, três grandes filmes: "A Mosca" de David Cronenberg, "O Meu Tio" de Jacques Tati e "Um Peixe Chamado Wanda" de Charles Crichton.
Esta constatação leva-me a uma imediata conclusão: ser cinéfilo coleccionador de DVD, hoje, é uma tarefa muitíssimo mais fácil - e barata - do que há dez anos atrás.

6 comentários:

Bruno Cunha disse...

Isso foi na Galp? É que gostava de comprar desses dvd's...

Abraço
Frank and Hall's Stuff

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Por acaso foi mesmo na Galp.

biobloga disse...

Obrigada pela info. "Um peixe chamado Wanda" provoca-me SEMPRE "aquele riso" ...o das lágrimas e cãibras na barriga. Bem haja.

PortoMaravilha disse...

Olá,

Só que entretanto se passou para uma nova moda de dvd ( Blue Ray ) e é preciso esgotar o "stock".

De qualquer modo uma iniciativa brilhante.

Aqui as gasolineiras oferecem clássicos da Bd :-) !

Também uma excelente iniciativa que me permitiu preservar os meus clássicos de rabiscos e outras rabiscadas pré-juvenis. Lol !

Nuno

::Andre:: disse...

Fácil e barata, definitivamente. Desvalorizada também, mas isso fica ao critério de cada um. O meu pai, leitor do Record, de vez em quando aparece-me com um Cronenberg ou um Lynch! Ou se fores ao Jumbo encontras uma ou um Coppola de vez em quando. Já para não falar do teu fav Hitchcok. Está banalizado mas é saudável que assim seja.

::Andre:: disse...

E a Fnac, em termos de filmes de autor, continua a ter as minhas prateleiras preferidas.