segunda-feira, 10 de maio de 2010

"Happy Birthday Adolf Hitler!"


Ontem assinalou-se a data da derrota oficial da Alemanha nazi na Segunda Guerra Mundial. 65 anos depois, parece que a memória histórica se esvai na sociedade actual. Supostamente, o nazismo foi um dos piores pesadelos da Humanidade, mas ainda há quem se esforce para o manter bem vivo...
Veja-se este caso: um jovem casal holandês, Heath e Deborah Campbell, tem três filhos. Tudo de normal até agora. O elemento que distorce esta aparente anormalidade é o facto de Heath Campbell ser um acérrimo... neo-nazi. Ora, como bom neo-nazi que é, Heath nega a existência do Holocausto, odeia de morte os Judeus e venera o fascismo alemão até às últimas consequências. Para provar o seu amor pela causa, resolveu baptizar os seus três filhos com nomes de acordo com a ideologia que idolatra. Então é assim: uma filha chama-se JoyceLynn Aryan Nation Campbell; a outra, Honszlynn Himler Campbell. E, crème de la crème, o filho mais novo, que acaba de fazer três anos, dá pelo singelo nome de Adolf Hitler Campbell! E logo com uma carinha de anjo (na imagem com os pais).
Ao que parece, o diligente neo-nazi ficou indignado pelo facto de uma pastelaria se ter recusado a confeccionar um bolo de aniversário para o filho por causa do infame nome. Convenhamos que não é todos os dias que se pode ver escrito, com creme de chocolate num bolo de aniversário, a dedicatória "Happy Birthday Adolf Hilter!". O pudor, a dignidade intelectual e o respeito pela memória de 6 milhões de judeus mortos no Holocausto terão pesado na consciência do pasteleiro e, consequentemente, na nega ao pedido.
Há estigmas e estigmas na vida. Mas o estigma que esta pobre criança, Adolf Hitler Campbell, vai carregar às costas até morrer, é daqueles estigmas que nem Jesus Cristo conseguiria suportar. Ele há coisas...
Heath Campbell com a filha JoyceLynn Aryan Nation Campbell.

9 comentários:

Maldonado disse...

Há gente tão burra por este mundo fora! :(

F disse...

Sem comentários.

Diogo disse...

Pareciam-me duas mulheres na foto. Ainda parecem, olhei agora.

analima disse...

Tal como aqui deve ser possível, na Holanda, alterar o nome no registo civil. Mas até que as crianças cresçam e o possam fazer terão que sofrer esse estigma. A não ser que, pensamento terrível, gostem dele mesmo quando perceberem o que significa.

cão sem raiva disse...

Estas coisas deixam-me burro!...

Flávio Gonçalves disse...

Ia comentar sem comentários, também.

Ana Cristina Leonardo disse...

em portugal havia vários estaline de jesus... há malucos para tudo. o pior é quando a coisa ultrapassa o folclore

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

"Estaline de Jesus" é muito bom!

PortoMaravilha disse...

Muito Bom Post !

Como todos alias. O problema é que pareces ser mais rápido que a tua própria sombra a fazer post ( oups um pouco de pub para um grande heroi da Bd não magoa ninguém )

É verdade que ninguém pediu para nascer em X ou y família.

Não deixa de ser curioso como o Nazismo está associado ao Salazarismo.

Antes não tinha bem consciência disso. Mas à medida que vou entrando nas entranhas da memória (a bruma é sempre nevoiero ), vou tomando consciencia .

E a pesquisa é fogo que arde...

Salazar foi o único chefe de estado a mandar baixar as bandeiras, em sinal de luto, aquando a morte ou suicídio de Hitler . Portugal foi o único país com a Suiça a mandar um telegrama de pesames.

Existiu Souza Mendes para defender a dignidade humana.

Mudando de assunto : Para quem gosta de cinema , o meu diário preferido , " Libération " , decidiu durante o Festival de Cannes apresentar a actualidade vista através de filmes do passado e do presente. Isto sabendo-se que uma obra de arte , um filme , deixa de ter passado , presente ou futuro , para ser intemporal.

A edição de hoje está excelente.

Nuno