terça-feira, 18 de maio de 2010

Ian Curtis - A minha experiência


Lembro-me como se fosse hoje: o bloco de gelo que se abateu sobre mim com a audição de “Unknown Pleasures”. A minha formação de ouvinte tivera vários estágios, mas nada me tinha preparado para o embate que foi a audição do primeiro disco dos Joy Division. Quando somos adolescentes julgamos que temos o tempo todo do mundo para desfrutar das grandes descobertas musicais. E, na verdade, eu tinha esse tempo todo. Viver em casa dos pais, fechado num quarto hermético, com centenas de discos, cassetes, livros e posters, era mundo suficiente para mim. Claro, a vida de estudante também se fazia, suportada à custa de muita condescendência e resignação.

Daí que, com 15 ou 16 anos, ouvir música significava um refúgio tão revigorante e enérgico como julgo já não existir hoje. Representava marcar um território delimitado à base da militância severa do prazer estético partilhado com um círculo restrito de amigos.
A descoberta da figura de Ian Curtis, mais do que a de Jim Morrisson, Iggy Pop, Lou Reed, David Bowie ou Peter Murphy, foi uma descoberta quase de cariz religiosa. Lia aqueles artigos incensados e devotos do Miguel Esteves Cardoso sobre a intensa e criativa movida de Manchester e fiquei, automaticamente, siderado. Ansioso por conhecer, numa era em que Internet nem figurava nos livros de ficção científica.

Porém, a devoção pelo prazer da descoberta levou-me a mover mundos e fundos, até conseguir pôr os ouvidos na música de Ian Curtis. Primeiro com a banda Warsaw, ainda reminiscente da fúria punk; depois, sim, com a era estilizada, superlativamente estética, de “Unknown Pleasures” e, postumamente à morte de Curtis, com o legado “Closer”. Para um adolescente como eu, de temperamento algo sorumbático e reflexivo, a música dos Joy Division revelou-se como a suprema bênção identitária. Nenhuma outra música, nenhumas outras letras, nenhum outro disco se poderia colar melhor à minha alma do que aqueles discos.
A poesia (porque de poesia se trata) de Ian Curtis resultava numa espécie de elegia sobre a presença terrena desta vida.

E tocava-me nas mais profundas das vísceras (porque a poesia não toca apenas na alma). Via Curtis como um criador ambicioso mas permanentemente insatisfeito, um angustiado feliz que tentava libertar os seus demónios interiores. Gostava das preocupações existenciais de Ian, devedoras das suas leituras de Kerouac, Burroughs, Ballard ou Camus. Cantava o sonho e o pesadelo, o amor e a morte, o desejo de existir e o medo de existir. Comprei um livro com as letras das canções, e li-as uma e outra vez, até sugar toda a essência daquelas palavras (decorava, na íntegra, algumas letras). E ouvia repetidamente, obsessivamente, algumas das canções. A agulha do gira-discos pousava, uma e outra vez, nas mesmas faixas dos vinis: “Isolation”, “Passover”, “Heart and Soul”, “A Means to na End”, “Disorder”, “Shadowplay”, etc.
E foi “Closer”, mais do que “Unknown Pleasures”, a deixar-me incondicionalmente devoto dos Joy Division. Tamanha devoção deveu-se, igualmente, à icónica arte gráfica de Peter Saville expressa na capa e no design, na produção inovadora de Martin Hannett, que concebeu aquela sonoridade única do disco, com a voz intensa e enxuta de Curtis, a bateria marcial de Stephen Morris, o baixo-tocado-como-uma-guitarra de Peter Hook, e a guitarra assanhada de Bernard Summer. Só mais tarde conheceria os tema-hinos, “Atmosphere” e “Love Will Tear us Apart”.
Ian Curtis só podia ter-se transformado em mártir do rock. Não havia outra solução. Como dizia Albert Camus, o suicídio é o único problema filosófico importante – saber se a vida merece ou não ser vivida. Curtis viveu intensamente e sempre no fio da navalha das emoções. O seu derradeiro acto foi o consumar de um fogo que tinha dentro de si. Lembro-me de que, no dia 18 de Maio de cada ano, sentia uma espécie de respeito e reverência espiritual para com a alma dos Joy Division. Era um dia especial.
E lembro-me de comemorar, com um amigo, os dez anos desse dia fatídico (Maio de 1990). Agora assinalam-se já 30 anos, e a intensidade passional continua viva, ainda que algo indolente pela natural passagem do tempo. E os sonhos continuam vívidos, imersos numa realidade ainda por revelar, como se expressa na canção “Dead Souls”: “Someone Take These Dreams Away / That Point me To Another Day / A Duel of Personalities / That Strech all True Realities”.

13 comentários:

Beep Beep disse...

Excelente elegia Victor!

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Obrigado ;)

Anfilófio disse...

Até os cortes na fotografia estão bem pensados. Muito bom.

|Fly| disse...

Há coisas que só podem ser expressas por quem teve a sua alma dilacerada.

A música do Joy Division. O seu amor por ela. Ambas são expressões diferentes do caos. Caos num mundo onde se ama o belo, nem que este belo seja a dor, e ela seja a nossa única amiga nas horas vagas.

Adorei esta tua postagem!

Back Room disse...

Parabéns por este grande texto, verdadeiro.

Compreendo perfeitamente essas sensações que descreves.

Anónimo disse...

Que lindo texto, "Vítaro"

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

"Vítaro?"

Só conheci uma pessoa que me chamava assim. Será este anónimo a mesma? ;)

mojorising disse...

Idem "".

Mas que adolescência negra tivémos.

Negra mas com muito bom gosto!

Luis Baptista disse...

Muito boa a elegia, Obrigado Tbem.

Anónimo disse...

parabéns por teres começado a ouvir Warsaw com 7 anos, Unknown Pleasures com 9 e Closer com 10! Um míudo desenvolvido...

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Anónimo: não percebi essa de ter começado a ouvir isto e aquilo com 7 anos e tal!... Que absurdo é esse?

Onde é que eu escrevi tal coisa? Eu escrevi que as primeiras audições de Warsaw foi com 16 anos e anos seguintes JD!

Anónimo disse...

[p]Presents a series of exclusive works: the rare snakeskin coffee table, exquisite table lamps, and sense of abstract design metal aluminum decorative ceiling [url=http://www.lvbagssale.co.uk]lv bags sale[/url] in the privacy and comfort of the VIP area, Peter ? the Mr . Of course, as businesses [url=http://www.buysalechanelbags.co.uk]buy chanel bags online[/url] billions of dollars in annual sales, Vuitton, Gucci, Hermes and Prada has a variety of products, including handbags . 'Paseo' package choice of colors [url=http://www.buysalechanelbags.co.uk]cheap chanel bags sale[/url] inspired from the earth stone color . The Goyard Sa?gon bag [url=http://www.replicalvhandbags.co.uk]lv designer handbags[/url] with canvas and leather fabrics . Low-key luxury dark red combined with delicate embroidery, stitching [url=http://www.buysalechanelbags.co.uk]chanel bags sale[/url] of multiple materials throughout the fall and winter seasons are full of the details of the beauty . 5 billion euros, only one-third of the industry leader Louis Vuitton . Gucci handbags series launched to support the green carpet Challenge Program
"I believe that today's customers are more than ever favor those thoughtful, responsible brand through our sustainable initiatives, humanitarian actors and charitable activities, we hope Gucci can not only become synonymous with 'Made in Italy' 'integrity' model of the manufacturing, "Giannini [url=http://www.replicalvhandbags.co.uk]lv handbags[/url] said.[/p]

Anónimo disse...

[p]Presents a series of exclusive works: the rare snakeskin coffee table, exquisite table lamps, and sense of abstract design metal aluminum decorative ceiling [url=http://www.lvbagssale.co.uk]lv bags sale[/url] in the privacy and comfort of the VIP area, Peter ? the Mr . Of course, as businesses [url=http://www.buysalechanelbags.co.uk]buy chanel bags online[/url] billions of dollars in annual sales, Vuitton, Gucci, Hermes and Prada has a variety of products, including handbags . 'Paseo' package choice of colors [url=http://www.buysalechanelbags.co.uk]cheap chanel bags sale[/url] inspired from the earth stone color . The Goyard Sa?gon bag [url=http://www.replicalvhandbags.co.uk]lv designer handbags[/url] with canvas and leather fabrics . Low-key luxury dark red combined with delicate embroidery, stitching [url=http://www.buysalechanelbags.co.uk]chanel bags sale[/url] of multiple materials throughout the fall and winter seasons are full of the details of the beauty . 5 billion euros, only one-third of the industry leader Louis Vuitton . Gucci handbags series launched to support the green carpet Challenge Program
"I believe that today's customers are more than ever favor those thoughtful, responsible brand through our sustainable initiatives, humanitarian actors and charitable activities, we hope Gucci can not only become synonymous with 'Made in Italy' 'integrity' model of the manufacturing, "Giannini [url=http://www.replicalvhandbags.co.uk]lv handbags[/url] said.[/p]