quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Já cá está

E finalmente chegou o dia: estreou o filme de Scorsese! O único problema é que só o poderei ir ver daqui a uns dias (ou até para a semana)... Quem já o tenha visto, que deixe por aqui as suas impressões. Já se sabe que é um filme que divide - coisa rara em Scorsese - opiniões.
O Metacritic fez uma recensão de críticas de jornais e houve quem atribuísse nota 100 em 100 e outros 20 em 100. A média final da classificação ficou-se nuns módicos 62%... Mas claro, só vendo para depois retirar conclusões pessoais.

18 comentários:

Anónimo disse...

Eu não vi ... mas alguém que muito gosta de cinema foi à ante estreia e disse-me que foi uma desilusão. Isto parece uma bela maneira de começar boatos, eu sei. Mas nada como ser o próprio a ajuizar, certo?
Elsa

sem-se-ver disse...

pra semana??

sorte a sua, vai a lisboa ou ao porto.

(odeio viver na provincia nestas ocasioes)

Gonçalo Trindade disse...

Achei genial. Uma obra-prima pura do início ao fim e, atrevo-me a dizer, dos melhores do realizador. É mesmo uma coisa rigorosamente genial do primeiro ao último plano.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Lá está o que eu disse: segundo as duas primeiras reacções aqui reveladas - "desilusão" e "genial"!

Mr. Blue disse...

Genial, sem dúvida.

Alguns planos que servirão, no futuro, para engrandecer ainda mais o génio Scorsese.

Sobre o filme: brilhante!

O Regedor disse...

mais um que vota no brilhante e genial

Joao disse...

Devo dizer-te que fiquei bastante desiludido. O argumento não é grande coisa e a realização parece-me de um filme qualquer de Hollywood.

Fifeco (Filipe Ferraz Coutinho) disse...

Sinceramente compreendo essa nota final. Não que o filme seja mau mas não é, definitivamente, aquela grande obra que esperava de Scorsese.

PortoMaravilha disse...

Ainda não vi o filme.

Por agora só tive criticas negativas de quem o viu. Mas foi de também quem leu o livro antes.

E aí está uma problemática !

Não li o livro nem vi o filme.

Em contrapartida, li há muitos anos ( livro culto da minha geração / quantos levei para Portugal) " O Senhor dos Anéis" .

Pois : Se gostei da adaptação cinematografica em geral, algo me incomodou na representação em cena , quer dos cavaleiros quer do Senhor dos Aneis.

Na minha leitura, e tanto mais leitura de adolescente ( ainda tenho o calhamaço ) não tinha assim subjectivado ou interiorizado.

De qualquer modo é bom que o filme de Scorsee levante a polémica.

Texto ou tela ? Qual o primeiro e onde está o palimpseste ? LOL !

Desde que veja o filme , deixo aqui comentário.

Por curiosidade : Aqui o filme é proibido aos menores de 12 anos e aí ?

E pergunto também : Só o Porto e Lisboa é que tem salas de cinema ? Não entendi bem ( sem qualquer ofensa ) o comentario de sem-se-ver.

Nuno

Anfilófio disse...

Nem "desilusão", nem "genial": razoável.

The movie_man disse...

Pessoalmente, gostei bastante do filme. Scorsese faz um filme não tão 'scorsesiano' e o 'twist' final não me surpreendeu (já esperava tal) mas a forma como o realizador constrói o puzzle (todo o filme é um puzzle) é genial. Um filme pormenorizado e que conta com um dos melhores papéis de DiCaprio. No entanto, percebo que haja muita gente que não vá gostar, não é um filme à Scorsese (volta um pouco aos tempos de O Cabo do Medo).

Quanto à questão feita acima pelo PortoMaravilha, cá temos salas de cinema em todo o País. No entanto, Lisboa e Porto têm o maior número de salas e as cidades do meio são, muitas vezes, esquecidas e recebem os filmes algumas semanas depois da estreia, mais um (dos vários) ponto negativo na forma como se distribui cinema em Portugal.

Cumprimentos.

sem-se-ver disse...

a sem-se-ver precipitou-se :-) leu, antes do coment, quais as salas do paulo branco - em lx e porto - onde o filme tinha estreado, e tomou a árvore pela flresta: estranhou, mas cuidou que tivesse sido a atalanta a comprar o filme.

como não foi, claro que o pôde ver logo, mesmo vivendo na província, porque muita da provincia esta enxameada com multiplex, caso da cidade onde vivo.

assim, 6f as 18 e qualquer coisa lá estava, cheia de curiosidade.

é:
um dos melhores filmes de scorcese de sempre

um filme absolutamente genial, desde a iluminação, ao estabelecer das peças do puzzle, à força emocional das cenas capitais (que, pensando bem, são todas), à maneira astuciosa e particularmente eficaz de nos manter sempre agarrados ao desenrolar da história ao ponto de nos termos que reconhecer fantoches nas maos do prestigitador, à câmara sempre colocada no sítio certo e à montagem - como habitual em scorcese - tecnicamente irrepreensivel e artisticamente quantas vezes estimulante, para finalizar com uma brilhantissima direcção de actores, de mão férrea e em simultâneo concedendo-lhes a liberdade de darem tudo de si (DiCaprio, claro, mas até em secundários como a srª que interpreta a esposa dele).

não é um qualquer filme de hollywood, porque um qualquer filme de hollywood nao sabe - nao alcança - a mise-en-scene de alguem que come cinema as colheradas desde pequenino. como acima tentei defender.

é um filme brutal.

abraço.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

sem-se-ver: vou ver esta semana e espero que o filme corresponda ao que referiste.

Joao disse...

Sem-se-ver: É um filme brutal é, principalmente se considerares filmes como o Gladiador filmes brutais!
E o facto do senhor comer cinema como quem come iogurtes, não significa que as vezes não se "engane". Como alguém disse, e bem, até o Hitchcock por vezes não esteve ao seu nível.
E se este filme fosse do género do Cabo do Medo estávamos cheios de sorte, mas não é, com muita pena minha.

sem-se-ver disse...

joão, joão...

1. não, não considero o gladiador um filme brutal. por que fez essa associação? fico com imensa curiosidade ao vê-lo estabelecer analogias sustentadas entre o shutter island e o gladiador. consegue? aguardo.

2. por que scorcese se enganou? onde e como? esclarece-me?

3. o cabo do medo é um filme forte, muito forte, bem feito - é inegável - mas falta-lhe o amadurecimento que shutter island revela. repare: desde os gangs de nova iorque scorcese está noutra. não reparou? casino fecha um ciclo. e casino foi expressão da fase descendente desse ciclo. se me tivesse tido que o aviador tinha sido um 'engano', por algum comodismo que revela, aceitava. quanto a este último, não consigo sinceramente entender a sua opinião.

embirrou com a história?...

deve ter sido - 'o argumento não é grande coisa'. desc, mas tive que me rir: o argumento é brilhante, uma das peças mais fascinantemente construídas sobre a loucura humana! ainda por cima sem condescendências de qualquer tipo, sem alinhar pelo discurso maniqueista sobre ela; antes enraizando-se na profundidade da personagem que - como sempre em scorcese - vive em culpa e procura a expiação. o que é sufocante (no sentido de eficaz) neste ultimo filme é que a expiação não acontece, pois ela não é possível.

é dos filmes em que scorcese mais nos abandona, senão mesmo aquele em que nos escorraça.

agora, por favor, se me conseguisse explicar em que este filme é equivalente a qualquer um feito por hollywood, ficava muito agradecida porque, das duas uma: ou eu ando enganada a ver filmes corriqueiros de hollywood que são afinal portentos artísticos - e então shutter island enquadrar-se-ia nesta categoria -, ou eu contino a nao andar enganada quando verifico a mestria técnica dos filmes de hollywood mas a sua profunda e bocejante boçalidade ao nível da mise-en-scene, o que não é manifestamente o caso de shutter island.

(ok, 'homem que etc', fico à espera de saber a tua opinião)

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Sim, a minha opinião há-de chegar...

PortoMaravilha disse...

@ The movie man : Muito Obrigado pela resposta ! Assim fica mais explicito.

Aqui muitas cidadezinhas viram as salas fecharem sob pretexto que ha uma cidade maior , a 20 Km por exemplo, com salas. O que penaliza as pessoas de idade , os jovens etc.

Nuno

Joao disse...

sem-se-ver:

1. Fiz essa associação porque também é um filme que de forma recorrente é bradado ao céus de genial. só isso.

2. Eu não sou crítico de cinema não te consigo explicar por palavras porque é que não gostei do filme. E além disso é só a minha opinião, que não te devia preocupar nada, porque mesmo que eu conseguisse explicar ias continuar com a mesma opinião. Que eu aceito.

3. Sim. Já reparei que ele está noutra, mas apesar disso gostei muito do Departed e do Gangs Of NY. Não considero que o Casino seja um filme menor daquela época.

4. "O argumento não é grande coisa" porque acho que a senhora que o escreveu não revelou especial talento, chegando inclusive a fazer as personagens repetir coisas já ditas, para não confundir o espectador menos atento, ou mais idiota, o que eu não aprecio. Isto é mais uma crítica literária que cinematográfica. Quanto à estória do argumento, para mim, esta não é particularmente interessante, mas isso é apenas a minha opinião.

5. Tens de parar de dizer "mise-en-scene". Tou a brincar, essa expressão é espetacular, usa quantas vezes quiseres.

6. Gostei que tivesses escrito um texto tão completo para defenderes a tua opinião. Tens garra. Isso é bom.

("homem QSD" só espero que não digas que o filme é genial;)