sábado, 13 de fevereiro de 2010

"O Meu Tio" ao preço da chuva


Saiu hoje à venda na Série Ípsilon do jornal Público o DVD "O Meu Tio" de Jacques Tati, por um preço irrisório de €1,94. E pensar que há uns anos comprei este filme inserido num pack com outras três películas do realizador francês por quase €40!
Não será preciso dizer que qualquer cinéfilo que se preze deve ter "O Meu Tio" em casa (tal como toda a restante obra de Tati, diga-se a verdade), para ver ou rever. E a este preço tão baixo, mais imperdoável se torna a sua não aquisição por parte de quem ainda não conhece ou não possui.
Obrigatório, portanto.

7 comentários:

Flávio Gonçalves disse...

Sabes, lembrei-me de ti porque sei que é dos teus filmes preferidos. Vi-o. Adorei e é um excelente filme, sim senhor. Não era o que esperava mas surpreendeu-me. Tem uma linguagem própria, um sentido burlesco incomum, ternurento, metafórico. Logo redigirei uma opinião ;)

Um abraço!

kim prisu disse...

grande filme, que na vida vi mais de 20 vezes, e sempre me surpreende uma linguagem compreensível por todos mesmo em versão original sem legendas, eu até tapo os ouvidos, só para deixar falar as imagens como nos filmes mudos, mas o som também é muito importante.... e a esse preço todos o podem ver e fazer ver aos miúdos... bom dia com sol

Álvaro Martins disse...

Completamente de acordo.

Bruno disse...

Já cá o tenho! Parabéns pelo blog, gosto muito de passar por cá.

Os melhores cumprimentos,
Bruno Ferreira

Daniel disse...

Nestes tempos de crise económica, a renovada série Ípsilon é uma bênção dos céus. E, mais que ser "obrigatório", este filme deve ser visto porque é uma barrigada de riso, uma crítica bem precisa às modernices e ao snobismo que é tão característico das elites portuguesas - ou daqueles que se julgam melhores que outros só porque sabem meia-dúzia de coisas a mais que eles.

MrCosmos disse...

Já andava para comentar à alguns dias. Segui também a dica em adquirir este DVD, tive sorte, consegui o último num quiosque, quase no final da semana seguinte. Desconhecia e Gostei. E minha filha de 12 anos, relutante com a lingua e disciplina francesa, também.
Falou do filme a professora de francês, que pôs a hipotese de o vir a passar numa aula.
Acheia a ideia muito pedagógica, apesar de não saber se a prof. conhece o filme em questão. Pedagógica, pelo facto notório do estilo do filme, parco em diàlogos, apenas qb, por ser muito bem feito, carismático e divertido, evidentemente ideal para aquela faxa etária.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

É um óptimo filme para passar nas aulas e falar das diferenças entre o modo de vida tradicional, sem tecnologia, e o modo de vida baseada nas relações afectivas.