sábado, 20 de novembro de 2010

O super-grupo de John Zorn

Sempre fui um grande admirador de John Zorn. A sua vasta produção musical é de qualidade necessariamente desigual, mas é indubitável considerar a importância do seu contributo para a música contemporânea com projectos seminais como Naked City, Cobra ou (Electric) Masada.
Zorn é um músico que incorporou múltiplas referências estéticas num só "corpus" musical: improvisação, jazz, rock, étnica, electro-acústica, blues, hardcore, etc. A vanguarda é um conceito que sempre jogou bem com grande parte da obra zorniana.
Num dos grandes festivais de jazz da Europa, Marciac (sul de França), John Zorn reuniu um excepcional e ecléctico colectivo de músicos ("Exodus"), dirigindo-os na acção musical (também tocou saxofone): o fabuloso Marc Ribot na guitarra; o polivalente (e barbudo) Jamie Saft no órgão; Trevor Dunn no baixo (ex-Mr.Bungle); o vibrafonista Kenny Wollesen (tocou com Tom Waits ou Bill Frisell); o sempre fantástico baterista Joey Baron (Ex-Naked City) e um dos maiores percussionistas do mundo, Cyro Baptista.
Um super-grupo de luxo que, às ordens de John Zorn, cria uma música estimulante, desafiadora, exploradora de timbres, ritmos e texturas.
Excelente momento musical:

2 comentários:

Neuroticon disse...

MUITO BOM!
Não conhecia estes Exodus, mas são quase quase quase os Electric Masada (Ribot, Dunn, Saft, Baron e Baptista), só Kenny Wollesen não contribui nesse grupo.
Já vi o Zorn com o Cyro Baptista e foi acima de tudo uma grande viagem :)

::Andre:: disse...

Este concerto anda a passar no canal mezzo.