quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Os dez mandamentos de Cronenberg


A revista de cinema Premiere publica um documento especial sobre David Cronenberg, com o título "Decálogo de um Cineasta Genial". No texto, são abordados os segredos de uma obra tão original e complexa como a do realizador canadiano.
Como base para a análise mais extensa desse decálogo, o artigo analisa dez frases proferidas pelo realizador (que, no fundo, sintetizam a sua estética e visão do cinema). Ei-las:

1. "O terror, como género, só é apreciado se nos tornarmos selvagens e escandalosos".
2. "Sinto uma grande empatia pelos médicos e pelos cientistas. São eles muitas vezes os protagonistas dos meus filmes".
3. "Os vírus são uma força criativa e não destrutiva".
4. "A versão mais acessível da Nova Carne seria uma transformação física do significado da natureza humana".
5. "A sexualidade é tão abstracta como física e está sempre ligada à cultura, à arte e à imaginação".
6. "O único tema verdadeiro do cinema de terror é a morte".
7. "Creio que a imaginação e a criatividade são algo completamente natural e, às vezes, também perigoso".
8. "Quando alguém funciona como um artista não tem que ter responsabilidade social".
9. "Os meus filmes podem ser considerados como biosferas, mundos vivíveis e fechados".
10. "O cinema reflecte e reforça a relação paranóica da nossa sociedade com a violência".

1 comentário:

João disse...

Para mim é a quinta frase a que melhor define o cinema de cronenberg:
"A sexualidade é tão abstracta como física e está sempre ligada à cultura, à arte e à imaginação".
De resto, todas juntas, ajudam a perceber um bocado da visão do mundo e do cinema do grande cineasta que é david cronenberg