quarta-feira, 15 de julho de 2009

O touro enraivecido

O chamado espectáculo tauromáquico não me interessa para nada. Não gosto. Ponto. A razão pela qual coloco aqui duas imagens das festas de San Fermin em Pamplona, é por se tratarem de duas notáveis fotografias com os touros. A primeira é de uma colhida de um "matador" espanhol, em que vemos o duelo feroz entre o homem e o animal. O touro enraivecido colhe, dir-se-ia em desespero, o homem que o toureia. A segunda fotografia diz respeito à largada de touros pelas ruas apertadas de Pamplona: a composição plástica da imagem é perfeita, parece congelada no movimento, com os homens em corrida desenfreada a rodearem o touro, tocando-o com as mãos, num misto de medo e respeito.
Para apreciar a qualidade destas e de outras fotografias, é favor abrir o sempre excelente Big Picture.

2 comentários:

GiGi disse...

Se sei demasiado? Só o suficiente. LOL

Não posso conceber que um país participante de um continente considerado rico (inclusive culturalmente) e desenvolvido ainda mantenha uma "tradição" (para mim, mais se aproxima de "atraso") tão estúpida e inútil. Não entendo mesmo.

Muito bom o seu blog! :-)

Beijo

Rui Herbon disse...

É o único momento da tourada que aprecio: quando o matador ou quem quer que seja é colhido. E tenho pena que, ao contrário do livro "A idade do ouro" de Arthur C. Clark, a plateia não sinta na pela a dor do dito, ou dos animais quando lhes é espetada a bandarilha ou o estoque.
A questão moral não impede a beleza plástica que o espectáculo propicia.