domingo, 30 de janeiro de 2011

"127 Horas" - o inferno de um alpinista


O filme "127 Horas", de Danny Boyle, não é assim tão mau quanto certa crítica diz, nem é tão bom como a maior parte dos cinéfilos referem (8.2 de classificação no imdb.com).
Eu não gostei do filme anterior de Danny Boyle, o oscarizado "Slumdog Millionaire". Achei bem mais interessante e conseguido este "127 Horas". Um filme que retrata a história verídica do alpinista Aron Ralston que ficou aprisionado, durante 5 dias, no meio de uma gruta (com o braço direito preso numa rocha). Sem ninguém saber do seu paradeiro, Aron Ralston conseguiu reunir as suas últimas forças e grandes doses de coragem para amputar o próprio braço de forma a escapar da morte certa e lenta.
O filme é equilibrado e, apesar de se saber o desfecho, consegue manter o espectador interessado na evolução do sofrimento de Aron Ralston, interpretado por um convincente James Franco, (nomeado ao Óscar de Melhor Actor). A cena da amputação é intensa e dura de se ver (nos EUA alguns espectadores desmaiaram e outros sofreram náuseas), mas o filme não vale apenas por esse tormentoso momento.
Os flashbacks e as visões de Aron Ralston estão bem construídas e o ritmo narrativo e dramático é consentâneo com a progressão dos factos. A tensão acumulada é extenuante. O verdadeiro Aron Ralston foi consultor do filme, pelo que os mais pequenos pormenores são os mais reais possíveis.
Uma última nota para a notável montagem e para a banda sonora do indiano A.R. Rahman, que acompanha maravilhosamente, sem exagerar (como era em "Slumdog Millionaire"), os diversos momentos dramáticos do filme (sobretudo na cena da auto-mutilação, que o verdadeiro Aron Ralston descreve neste vídeo, com impressionante frieza).
Menos interessante a forma como Boyle filma o deserto, quase como se estivesse a filmar um videoclip para Madonna.
Aron Ralston e James Franco

10 comentários:

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ainda não assisti. Mas já estou à espera. Gosto de Boyle e de James Franco.
Abraços

www.ofalcaomaltes.blogspot.com

João Gonçalves disse...

Não gostei. Para além da técnica (ou falta dela) do Danny Boyle, o filme parece que estagna antes da primeira meia hora. Não desenvolve e depois o que acontece é uma sucessão de acontecimentos e memórias que não me atraíram e nem sequer, são por si só, suficientes para aguentar o peso do filme. O James Franco esteve bem é verdade, mas não chegou.
A ideia nem sequer é muito original, mas Danny Boyle conseguiu estragar um projecto que, quem sabe, se fosse realizado por outro que não ele, poderia ter saído algo bem interessante. Talvez não seja pior que o Slumdog Millionaire, mas ao mesmo nível está.

Alexander Sweden disse...

Ainda não vi o filme, e sem desprimor para o João Gonçalves considero as críticas do género "parece que estagna antes da primeira meia hora. Não desenvolve", um bom presságio para mais um deleite cinematográfico.
Vivemos numa sociedade sem paciência que exige tudo a que tem direito no imediato, seja na música, no cinema, na estética, nas relações amorosas, na vida, sem panorâmicas, sem compassos, sem entrelinhas...olhamos para o top de vendas nas mais variadas áreas e acho que compreendem o que quero dizer.

João Gonçalves disse...

Alexander Sweden,
Não me conheces nem percebi o teu comentário. Se tinhas preparado esse discurso então escolheste mal a pessoa a quem o lançar.

Não me insiro, de todo, na tua discrição. Se achas que um filme do Danny Boyle é capaz de te proporcionar esse tal "deleite cinematográfico" então estamos conversados, definitivamente :)

Alexander Sweden disse...

Tal como disse no inicio do comentário, reafirmo "sem desprimor para o João Gonçalves".

DiogoF. disse...

Por acaso, estou surpreendido. É um dos filmes mais fracos que vi nos últimos tempos (argumento, realização, actor, montagem), com a enjoativa e incrivelmente desapropriada música do amigo Ralston.

Anónimo disse...

A PIRATARIA CONTINUA EM GRANDE POR AQUI!! FORÇA HQSDEMASIADO!!

Alexander Sweden disse...

Por aqui!? Por todo o lado. Eu ando à media de um filme por dia.

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Como se fosse algo de extraordinário isto de sacar filmes da net! A cada minuto que passa há milhões de pessoas em todo o mundo a fazer download de filmes e música. Qual é o escândalo se eu o fizer também o mesmo? Vou preso?

Neuroticon disse...

Eu sou contra a pirataria também... mas são as regras do jogo. Os bilhetes de cinema são extremamente caros, a distribuição e oferta dos filmes é ridicula e cada vez mais monopolizada, os dvds são extremamente caros... Enquanto esses males não forem corrigidos, eles sofrem desta maneira!