quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

O filme sobre Auschwitz


No dia em que se assinalam 65 anos da libertação de Auschwitz, relembro uma das obras de cinema que, quanto a mim, melhor conseguiu retratar os horrores nazis cometidos no infame campo: "Noite e Nevoeiro" ("Nuit et Brouillard", no título original, 1955) de Alain Resnais.
“Noite e Nevoeiro” foi o primeiro grande documentário sobre o sistema concentracionário e de extermínio criado pelos nazis, sobre o Genocídio e o Holocausto, sendo considerado um marco na História do Cinema. Realizado em 1955, dez anos apenas após a libertação do campo de extermínio de Auschwitz, o filme de Resnais confirma que nenhuma descrição ou imagem pode dar a verdadeira dimensão dos acontecimentos ocorridos. À altura em que “Noite e Nevoeiro” foi realizado, a erva já tomara conta de Auschwitz: o antigo cenário do horror era uma paisagem verdejante, campestre, serena; a ruína do campo ameaçava já a ruína da memória. Era preciso reavivá-la e, para isso, Resnais intercalou o que ele próprio filmou em Auschwitz com imagens de arquivo captadas pelos aliados no fim da guerra ou pelos alemães, e com fotografias comentadas com uma lentidão litúrgica, “uma doçura terrífica”, notou François Truffaut.
De resto, este célebre cineasta francês disse uma vez que “Noite e Nevoeiro” era o “melhor filme jamais feito”. O filme tem uma voz off impressiva. É a voz do escritor francês Jean Cayrol, combatente da Resistência Francesa que foi preso político no campo de concentração de Mauthausen (Áustria).
O título, “Noite e Nevoeiro”, foi retirado do título do livro de Jean Cayrol, “Poèmes de la Nuit et Brouillard”, que por sua vez retirou a expressão ao nome do decreto alemão “Nacht und Nebel”, que estipulava a deportação para locais secretos de pessoas acusadas de conspirar contra o regime nazi. “Noite e Nevoeiro” rejeita quaisquer formatos convencionais de narrativa histórica; expõe factos em vez de os explicar, revela o horror em vez de o compreender racionalmente. E mais do que tudo, refuta a exploração fácil do sentimentalismo, do apego à emoção dramática, pelo que a câmara de Resnais filma com uma suavidade inaudita, sem cedências ideológicas ou emocionais.

A frieza e a neutralidade com que cada plano-sequência é filmado, revela-se uma agulha espetada no espírito humano, como se Alain Resnais perguntasse a cada espectador: “como foi possível?” O filme foi rodado a cores (presente, 1955) e a preto e branco (imagens de arquivo). É assim que o realizador francês aborda a montagem das imagens com as quais apresenta a sua “visão expiatória” do extermínio dos Judeus. Montagem, manipulação e reconstrução de imagens muitas vezes insustentáveis, que "produzem uma forte impressão de irrealidade que dão uma sensação de vertigem àqueles que têm que fazer este trabalho”, nas próprias palavras de Alain Resnais.
O rigor ético e estético deste filme, a música subtil de Hanns Eisler (antigo colaborador de Brecht) e as palavras poéticas de Cayrol fazem de “Noite e Nevoeiro” uma experiência cinematográfica única, para não falar da inerente importância histórica deste documentário.
"Noite e Nevoeiro" tem apenas 30 minutos de duração e pode ser visto integralmente aqui.

5 comentários:

PortoMaravilha disse...

Muitos Parabéns pelo texto.

E sobretudo pela memória.

Para informação : Estreou hoje o filme de Perrin "Océans". Está já a ser um sucesso.

Não sei se foi aqui ( sou humano não um disco rígido Lol ) que referi que o universo de Avatar podia também e não só , reenviar para os fundos submarimos. Ora Perrin ( na sua entrevista ao "Journal du Dimanche / 24 deste mês / ) expõe a mesma ideia.

Este fim de semana vou ver Oceans.

Nuno

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Que filme é esse, "Oceans"?

Flávio Gonçalves disse...

O Noite e Nevoeiro é dos meus filmes preferidos. Perturbou-me durante dias - foi, creio, o premeiro a consegui-lo em tanto tempo. Penso que ainda hoje certas imagens me atormentam. Mas foi um filme necessário. Um marco inegável que denuncia os horrores do nazismo. Perfeito.

PortoMaravilha disse...

É o último filme de Jacques Perrin e de Jacques Cluzaud.

Está em sala desde ontem. O oceano foi filmado ( 4 anos de rodagem ) graças a técnicas inéditas : camera numérica numa caixa hidraulica hermetica e sobretudo uma camera missil ( não arranjei outra tradução ) capaz de acompanhar os sprints de certos habitantes dos oceanos.

Dá uma visão do oceano que até agora nos era desconhecida.

Ontem, vi filas para o filme.

Não sei se respondi bem.

Nuno

Paulo disse...

A reportagem do Jornal da Noite da SIC sobre os 65 anos da libertação de Auschwitz foi excelente.