domingo, 31 de janeiro de 2010

O melhor cinema dos anos 40


O blogue "My One Thousand Movies" está a publicar um extenso conjunto de filmes dos anos 40, desde clássicos intemporais até raridades pouco vistas e conhecidas. No seguimento deste ciclo, o autor do blogue desafiou diversos leitores (eu incluído) a elaborarem uma lista pessoal dos filmes preferidos da década de 1940 (subjectiva, como todas as listas).
Eis as minhas preferências pessoais:

1. "O Grande Ditador" (1940) - Charlie Chaplin
2. "A Corda" (1948) - Alfred Hitchcock
3. "Ladrões de Bicicletas" - (1948) - Vittorio De Sica
4. "Laura" (1944) - Otto Preminger
5. "Casablanca" - Michael Curtiz
6. "Citizen Kane" (1941) - Orson Welles
7. "Pagos a Dobrar" (1944) - Billy Wilder
8. "Roma Cidade Aberta" (1945) - Roberto Rossellini
9. "O Terceiro Homem" (1949) - Carol Reed
10. "Ter ou Não Ter" (1945) - Howard Hawks

5 comentários:

Spark disse...

Excelente escolha. ;)

My One Thousand Movies disse...

Eu ainda não decidi bem o meu top 10. Não devo conseguir deixar de lado aqueles "clichés" (Citizen Kane, Casablanca etc) mas há dois "noirs" que vou fazer questão de incluir. São o "Detour" do Edgar G. Ulmer, e o "Murder, My Sweet" do Edward Dmytryk. :)

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

São dois grandes "noirs", sem dúvida.

Como a lista era só de 10 títulos, deixei de fora vários do Hitchcock, um do John Huston e do John Ford e as duas partes de "Ivan, o Terrível" de Eisenstein.

João Palhares disse...

Excelentes escolhas, principalmente o Grande Ditador, A Corda, O Terceiro Homem e o Ter e não ter.
Falta é o "Terra Trema" do Visconti, o melhor filme do neo-realismo italiano (para mim, claro)... :)

Flávio Gonçalves disse...

De todos os indicados por ti - vi muito poucos, infelizmente - posso dizer que o "Ladrões de Bicicletas" é o meu preferido. Um excelente ensaio moral e exemplo do neo-realismo italiano. Já agora, o "Roma, Cidade Aberta" está aqui à espera de ser visto, como "O Grande Ditador" ;) Confesso, contudo, que não acho que "A Corda" seja dos melhores de Hitchcock. Terei que o rever.

Abraço