sexta-feira, 30 de abril de 2010

Corbijn e Dreyer


Há várias sequências prodigiosas no filme "Control" de Anton Corbijn. Uma delas é no momento em que Ian Curtis inicia a sessão de hipnose com a ajuda do amigo e músico Bernard Summer. Curtis está sentado num sofá preto, e a câmara começa a circular à volta do cantor dos Joy Division. Pela profundidade emocional do momento, pelo preto e branco imaculado da fotografia, fez-me de imediato pensar numa sequência similar do filme "A Palavra" de Carl Dreyer (na foto): o personagem que se julga Cristo está sentado no meio da sala a falar com a sobrinha, e a há um movimento de câmara que gira em volta da sua figura, lentamente. Percebo porque é que alguns críticos referiram Dreyer como influência para certas imagens de "Control". Depois, o final do filme, com a câmara a subir pela chaminé crematória até se fixar no respectivo fumo negro, com a música "Atmosphere" em fundo, é um espantoso exercício de mise-en-scène. E um dos mais belos e comoventes finais de filme dos últimos anos (na sala de cinema onde assisti ao filme de Corbijn havia uma rapariga à minha frente a chorar copiosamente).

4 comentários:

João Gonçalves disse...

Adoro Control! Não há palavras para esse final.

Mia Capgras disse...

eu adoro os Joy Divison.Tenho 24 anos e cresci a ouvir o Ian por causa do meu pai.Ainda não conhecia o teu espaço e confesso que me senti logo bem,mal vi o David Bowie colado na "parede" :)
Posto isto,vou continuar a navegar na tua página.
Muitos parabéns!

Um beijo,
Mia

O Homem Que Sabia Demasiado disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Álvaro Martins disse...

Eu adoro é o filme da foto, para mim o melhor do Dreyer a par com A Paixão de Joana D'Arc.