domingo, 1 de novembro de 2009

António Sérgio: calou-se a Voz da rádio


António Sérgio (1950 - 2009) não gostava que lhe chamassem o "John Peel português". Mas ele era, efectivamente, o John Peel português. Não só pelos 40 anos dedicados à rádio, como pela imensa cultura musical que transmitiu a várias gerações, pela única voz marcante da rádio portuguesa, pelos programas únicos de divulgação de novas tendências musicais, pela entrega e paixão pela música, pelo carinho que revelava para com os ouvintes.
Aprendi com o António Sérgio que havia o "direito à diferença" (lema do programa "Som da Frente", Rádio Comercial), foi com ele que tomei contacto pela primeira vez com dezenas e dezenas de bandas independentes (rock, pop, electrónica, world...), foi com ele que constatei o que é fazer rádio com personalidade e carácter, em diversos programas de autor - "Som da Frente", "Lança-Chamas", Grande delta", "A Hora do Lobo"...
Num Portugal fechado e conservador, foi António Sérgio o primeiro a desbravar caminho para a divulgação de novas músicas, nas diversas rádios por onde passou. A sua voz cava e grave, o seu sotaque inglês irrepreensível (nas entrevistas que fazia a músicos ingleses), o seu vasto conhecimento histórico, exerceram grande influência nos ouvintes que, nesses tempos, não dispunham do facilitismo da internet. Num panorama radiofónico tão pobre e limitado como o português, a morte do António Sérgio reveste-se de um simbolismo particularmente forte. É o fim de uma era.
Nos últimos anos deixei de o ouvir, porque perdi o hábito de ouvir rádio. Mas muito do que sou hoje, como ouvinte e músico, devo-o ao António Sérgio. E como eu, milhares de outras pessoas.
Há muitos anos, numa noite em que ouvia "Som da Frente", telefonei para a Rádio Comercial para falar com ele e pedir-lhe se podia passar o tema "Cristina The Astonishing" do Nick Cave. Ele atendeu-me com uma humildade tocante e atendeu o meu pedido. Passado uns minutos, tocou (como ele gostava de dizer) o tema magnífico de Nick Cave. Disse que era um dos temas preferidos do Nick Cave e aqui fica em jeito de homenagem:
Esteja onde estiver, espero que haja rádio para o António Sérgio continuar a por em prática o seu amor pela música.

3 comentários:

Luis Baptista disse...

Já vou hoje no 3º comentário de AS e descrevo assim:Ficámos sem Antonio Sérgio, o melhor radialista de sempre da nossa rádio, deixou-nos em presença. A todos aqueles que cresceram com ele desde os tempos do Rolls Rock, na Renascença e que especialmente se formaram musicalmente com ele, como é o meu caso só tenho a agradecer.
Certamente que AS, está na nossa memória eternamente e a sua voz cavernosa nos marcará por toda a nossa existência.Tbém reconheço que hoje em dia já não o ouvia, por via das más influências de editoras e afins que estragaram um pouco o projecto radialista de AS, mas isso são outras conversas, fica-nos tudo de bom que ele nos deu, todas as longas horas de musica e o aguardar de cada emissão com fervor e devoção. Obrigado por tudo.

Mary disse...

ainda estou a digerir esta notícia.

bem haja ao grande senhor AS

Diamond disse...

António Sérgio influênciou uma geração, nomeadamnete a nossa.
Recordo-me de esperar pacientemente pelo seu programa e escutar atentamente as suas propostas.
Fiquei a conhecer muitos projectos.
Obrigada, A. Sérgio.
RIP.

Cump.