quinta-feira, 25 de março de 2010

56 segundos de poesia visual

Há quem diga que esta é a melhor sequência alguma vez filmada em cinema (plano-sequência, para ser exacto). Faz parte do filme "O Espelho" (1975) de Andrei Tarkovski. E não é que eu estou tentado a concordar? Se não é a melhor cena filmada da história do cinema, poderá ser, pelo menos, da riquíssima filmografia do realizador russo.
Basicamente passa-se isto: a câmara desliza por entre a habitação, sorrateiramente, captando os mais subtis movimentos de objectos e crianças, pára e move-se em situações cirúrgicas da cena, até se centrar no belíssimo plano fixo do incêndio. Luz, cor, sombras e sons compõem uma sequência única. E tudo filmado em apenas 56 segundos de mestria visual absoluta.

9 comentários:

Álvaro Martins disse...

Concordo plenamente. Mas Tarkovsky tem n de planos fabulosos.

Sam disse...

E o que dizer daquele contraste, no final do plano-sequência, entre o fogo do incêndio e as gotas de água que brotam do telhado da casa?

Fantástico.

Cumps cinéfilos.

Rui Resende disse...

Tarkovski é um de uma curtíssima lista de gente no cinema (para mim não mais de 6 ou 7) a quem eu chamo inventores, ou seja, pessoas que mudaram a forma como nós vemos (e fazemos) cinema, inventaram construções novas na nossa gramática visual. Este plano é sublime, e acho que no dia em que pudermos classificar cenas individualmente, e não apenas filmes no seu conjunto, esta sequência estará altíssima na classificação, aliás como o filme todo neste caso.

Neuroticon disse...

Sim, todo o filme é MAGISTRAL!

cão sem raiva disse...

Sem dúvida, momentos duma simplicidade que aprisiona o olhar.

analima disse...

É exactamente isso que é extraordinário nesta sequência: a aparente simplicidade. Como se a câmara se movesse sozinha ou como se uma das crianças tivesse pegado nela. E no entanto, apercebemo-nos, ao mesmo tempo, da sua complexidade feita de todos os elementos que refere. Uma das razões que fazem de Tarkovsky um mestre.

miguel disse...

É de facto um plano fascinante, repleto de intencionalidades. Deixo o convite para visitar (quem sabe regularmente) o blog que abri recentemente: http://aesperancaeessacoisacompenas.blogspot.com

João Palhares disse...

Não quero ser desmancha prazeres, mas o Tarkovski (e não só) já fez muito melhor que isto. O meu plano preferido dele (e é sempre injusto escolher só um) é o último do "Offret" (Sacrifício)...

João Ruivo disse...

Tartovski é um mestre!

Nunca me hei-de esquecer daquele longo plano em STALKER quando eles finalmente chegam "à sala".