domingo, 21 de março de 2010

Um Tim Burton apenas mediano


Este fim-de-semana vi o filme de Tim Burton. Gostei, mas só moderadamente. E dizer isto de um filme do autor de "Big Fish", na verdade, não é ser muito abonatório. "Alice no País das Maravilhas" vale sobretudo pela reconfiguração visual e estética do universo de Lewis Carrol, a interpretação de Helena Bohnam Carter e pouco mais. Seria difícil, sendo um projecto da Disney, que este filme de Burton ostentasse a negritude imagética e o carácter narrativo mais irreverente com que habitualmente conotamos a criatividade de Tim Burton.
Mesmo Johnny Depp tem uma actuação pouco inspirada, parecendo uma variação do registo de Willy Wonka, experimentado em "Charlie e a Fábrica de Chocolate".
Visualmente a película é de uma imaginação irrepreensível, recorrendo a grandes contrates cromáticos (o reino da rainha vermelha e a branca, a floresta, os personagens, o castelo...), mas no final fica-se com uma sensação de pouco entusiasmo, de escassa ousadia formal, tratando-se de Tim Burton. "Alice" resume-se a um divertimento sofisticado mas que não irá marcar a carreira de Tim Burton.
De referir, por último, que o 3D funciona muito pouco como catalisador da história e de envolvimento do espectador e até a música original de Danny Elfman desilude de tão previsível.

8 comentários:

Flávio Gonçalves disse...

Concordo em absoluto. É uma pena.

Ana Paula Sena disse...

Ainda não vi o filme, mas tenciono fazê-lo em breve.

Tomei nota da sua apreciação. Na verdade, o que refere é algo que já me tinha ocorrido. Ultimamente, os filmes de Tim Burton deixam-me um sabor a pouco, comparados com os anteriores.

No entanto, tenho sido fã do estilo.

Obrigada :)

FQ disse...

Concordo com quase tudo (acho que, por exemplo, a prestação do Depp nao fica atrás da de Helen Boham-Carter), mas mesmo assim não me consegui sentir desiludida.

arrssousa. disse...

Apesar desta crítica e de vários anúncios prévios (tais como a banda sonora, entre outros), acho que ainda reina um bocado em mim a vontade de ver aquela que é a minha personagem preferida de sempre, na grande tela.
Espero não ficar muito desiludida, apesar de ter quase a certeza que isso irá acontecer.

PortoMaravilha disse...

Eu ainda não vi o filme.

Mas as criticas são muito boas.

O "Journal du Dimanche " deste último domingo tem um artigo muito elogioso sobre o filme e uma grande entrevista com T. Burton que será o próximo presidente do Festival de Cannes.

Não posso deixar de lembrar que a nona arte ( oups : concurrência ? ) publicou um álbum , estilo entre Manga e a linha clara , fantástico sobre o conto de L.Carrol. Saiu no mesmo dia que o filme.

Nós estamos na Primavera do cinema e as entradas são a tres euros e cinquenta ( até quarta ou sexta , segundo as cidades )

"La Rafle" está a bater todos os recordes .

"La Rafle" é um belo filme !

Nuno

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Que filme é "La Rafle"? Francês?

analima disse...

Eu gostei não só da interpretação da Helena B. Carter mas também da de Johnny Depp. E há outras personagens muito interessantes. Mas é só. O que, para Tim Burton, é de facto muito pouco.

PortoMaravilha disse...

Victor :

"La Rafle " é um filme fr de Roselyne Bosch que assenta no testemunho dos dois únicos rescapados ( 10 anos na altura )da rusga da polícia fr em Paris durante a ocupação alemã . Milhares de judeus foram presos e concentrados em 1942no Velodromo de Paris e depois enviados para Auschwitz.

É um filme que está a ter um enorme sucesso.

Nuno