sexta-feira, 4 de setembro de 2009

O mistério fascinante das máscaras

Na biografia de Stanley Kubrick de John Baxter leio que o realizador confessou a um assistente de realização (ou de produção, não me recordo) que considerava "Eyes Wide Shut" (1999) o seu melhor filme. Eu não acho que seja o melhor filme de Kubrick (seria se não houvesse "Shining", "Laranja Mecânica" ou "2001, Odisseia no Espaço"), mas não deixa por isso de ser uma obra profundamente kubrickiana. Uma obra que explora os mecanismos do desejo e da traição, o testamento perfeito em jeito de súmula da obra de Kubrick.
Seja ou não o melhor filme de Kubrick, creio que é inegável que este filme tem algumas das melhores sequências jamais filmadas pelo realizador. Como esta que retrata o ritual de máscaras da mansão onde o Dr. Harford (Tom Cruise) se perde na visão da sensualidade misteriosa dos corpos. É uma sequência de uma impressionante qualidade plástica e sonora, encenada como só os génios são capazes. E sempre que revejo a sequência, arrepia-me a fascinante música, os movimentos do ritual, o enigma sedutor dos olhares anónimos por detrás das máscaras.

5 comentários:

Maldonado disse...

Gosto mais de Laranja Mecânica, 2001 Odisseia no Espaço e Nascido para matar.

Rui Herbon disse...

O Eyes wide shut não será o melhor filme de Kubrick, mas essa cena por si só vale mais que toda a filmografia de muita gente respeitável.

Rui Herbon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Victor Afonso disse...

Rui: subscrevo.

F disse...

Grande, grande filme!