domingo, 20 de setembro de 2009

"O Samuel Beckett do cinema"


Está a ser impressionante a consagração crescente de Pedro Costa a nível internacional. Agora vai ser a Tate Modern (um dos melhores museus europeus de arte contemporânea) a dedicar-lhe um retrospectiva integral entre 25 de Setembro e 4 de Outubro. A revista Sight & Sound dedica ao realizador português um longo dossiê de 6 páginas e o importante diário The Guardian, o mais prestigiado jornal britânico, diz no título do artigo que lhe dedica que Pedro Costa é o "Samuel Beckett do cinema", para além de elogiar a sua filmografia e classificando o filme “Ossos” como um dos mais “enigmáticos e assombrosos filmes do cinema Europeu moderno”.
Entretanto, o primeiro filme de Pedro Costa, "O Sangue" (1989), vai ser reeditado em DVD com som e imagem remasterizado (edição Midas Filmes) - irá estar à venda com o jornal Público no início de Outubro.
Vi o filme "O Sangue" ainda em sala de cinema, quando estreou comercialmente. Lembro-me de ter dito a alguém que se tratava do melhor filme português em muitos anos. A fotografia a preto e branco e a realização esteticamente austera (na esteira de um Robert Bresson ou de um Dreyer), causaram-me forte impressão, ainda que já não me recorde muito bem do argumento. Parabéns Pedro Costa!
Link para o The Guardian.

8 comentários:

hg disse...

Uma correcção: antes do "Ossos" o Pedro Costa já tinha feito (pelo menos) Casa de Lava e O Sangue.

hg disse...

Reparo agora que afinal, no texto, o Vitor tenha apenas trocado O Sangue pelos Ossos. Pois é O Sangue que vai agora ser lançado e é também esse filme que tem uma fotografia a preto e branco. (mas julgo que anterior a '97)

Victor Afonso disse...

Eu é que me distraí a escrever o post. Quando referi que ia ser reeditado "Ossos" queria dizer, obviamente, "O Sangue". Já rectifiquei no texto.
Obrigado.

kameramaninblack disse...

espero que esta edição em dvd resolva o problema deste filme... o seu mau som... lembro-me de ter visto este filme no cinema & não se perceber nada do que os personagens diziam... :(
lembro-me da excelente fotografia e de que como o som quase destruía a fruição do filme.

Anónimo disse...

quando um cineasta passa em museus de arte moderna e não em salas de cinema é mau sinal...

hg disse...

"quando um cineasta passa em museus de arte moderna e não em salas de cinema é mau sinal..."
Mas desde quando é que o Pedro Costa deixou de passar nas salas de cinema?!
p.s: Vitor, sem querer ser chato: O Sangue é de 1989.

Victor Afonso disse...

hg: sim, claro. Como me tinha enganado a colocar "Ossos" em vez de "O Sangue", informei em conformidade o ano de 1997. Já corrigi. Obrigado.

Ivo disse...

Nunca vi nenhum filme de Pedro Costa, mas para vir com um artigo de destaque na sight&sound é porque deve valer a pena.