domingo, 7 de junho de 2009

A dança dos cavalos abatidos


É um filme que é uma tocante e sensível metáfora da vida: "Os Cavalos Também se Abatem" ("They Shoot Horses, Don't They?", 1969) de Sydney Pollack. Um filme que se passa durante a Grande Depressão, nos anos 30, nos Estados Unidos da América, num tempo em que a maioria da população carecia de uma vida digna, sofrendo com o desemprego e a crise. Devido às terríveis circunstâncias da vida daquela época (miséria social e económica), muitos homens e mulheres tentavam ganhar qualquer coisa nas oportunidades mais inusitadas, como nos concursos de dança em formato de maratona. Neste concursos, que testavam ao extremo a resistência física s psicológica dos competidores em troca de comida, roupas e alguns míseros trocados, revelavam-se tristes histórias de vida, de desespero e de angústia. O palco de dança é o palco da vida. A maratona, a duração da existência.
Com um soberbo par de actores (e dançarinos) Jane Fonda e Michael Sarrazin, "Os Cavalos Também se Abatem" representa a luta pela sobrevivência, a luta pela dignidade humana face à adversidade e aos obstáculos da vida. O preço por esta luta terá sempre consequências terríveis para os competidores (como demonstra o final pessimista e trágico do filme). Um filme que aborda o tempo de crise dos anos 30. Um filme que podia adaptar-se à crise dos anos 2000, com os actuais concursos televisivos (alguns de dança), que reflectem uma sociedade vazia, supérflua e sem escrúpulos para os falhados. Uma sociedade que abate os cavalos dispensáveis.

2 comentários:

Passenger disse...

Olá Victor, obrigado pelo teu comentário no meu blog. Vou começar a prestar atenção a este teu ;)

Não gosto muito de Pollack, mas este filme tem boa reputação.

Álvaro Martins disse...

Muito bom filme. E uma Jane Fonda no seu melhor.