domingo, 28 de dezembro de 2008

Black Medicine Music - um vício hipnótico


É um dos discos mais belos e bizarros deste ano. Um disco de puro encanto e sedução. E que eu saiba, passou completamente ao lado da crítica musical portuguesa. Há escasse informação sobre o projecto, mas a que existe é suficiente para tirar o retrato definitivo desta obra tão enigmática quanto estimulante. O nome do projecto dá pelo nome de Stag Hare, cujo mentor é o músico Adam Forkner. Há um ano lançou um disco em edição de autor com uma única e longa faixa, construída com base em ritmos tribais e sonoridades indianas. Depressa se tornou um nome a fixar no panorama da música de cariz étnico e ambiental (mas não world-music). Há poucos meses Stag Hare editou o segundo disco, desta vez pela editora A.Star.
O título do disco é todo um programa de intenções: "Black Medicine Music", constituído por cinco temas (uns com 8 minutos de duração, outros com 10 e 12). E que temas! A música de Stag Hare insere-se numa estética que funde os ambientes sonoros exóticos, rituais e psicadélicos (Médio Oriente, Ásia, resquícios de rock progressivo) e electrónica. Mas a electrónica mal se percebe, por entre os sons de sitars, "drones", tablas, guitarras, flautas, címbalos, vocalizações dolentes e quase imperceptíveis e demais instrumentação, a fazer lembrar uma simbiose improvável de Spiritualized e Ravi Shankar. O resultado da audição ininterrupta de "Black Medicine Music" ("música negra para curar"?) é um estado mental quase hipnótico, meditativo e místico. Sessão rítmico-ambiental minimal-repetitiva (seja lá o que isso for) e ideal para ouvir e saborear, lentamente, ao fim da noite.
Não é por acaso que o crítico Dave Miller atribuiu uma classificação de 9/10 a este precioso e viciante disco. Agora para os que ficaram curiosos em conhecer, eis o bombom: o disco pode ser descarregado aqui. Ou então ouvir três músicas no myspace. Garanto que é um disco que foge a quaisquer estereótipos e catalogações. Não se confina a um estilo, não se parece com quase nada do que se ouviu durante 2008, ou 2007, ou...
Boas audições (sessões de hipnose!).

7 comentários:

Sérgio Currais disse...

Potentíssimo. Ganda som.

Albemarle Station disse...

Grande disco, excelente dica Victor :)

Joana Coimbra disse...

Estou convencida, vou fazer o download.

::Andre:: disse...

Também fiquei convencido pelas palavras do Vitor, mas depois fui ao myspace e aquilo não me agradou muito...

Jorge Silva disse...

Muito Bom!

Obrigado pela dica.

A propósito de dicas, já preparaste a lista dos "melhores de 2008"?

Unknown disse...

Jorge: estou a trabalhar nisso agora :)

Joana Coimbra disse...

por mim está aprovadissimo...estou a gostar imenso. fico a espera dessas listas :D